Archive for the ‘Política’ Category

Foi nisto que votou?

Novembro 12, 2015

https://m.facebook.com/JSD.Nacional/photos/a.400030273303.179085.117660053303/10153824541593304/?type=3&theater

Anúncios

Histeria de massas

Outubro 7, 2012

Portugal vive desde há cerca de um mês num estado de histeria colectiva. Este fenómeno é definido pelos psicólogos como “manifestação espontânea de sintomas psicológicos histéricos por mais que uma pessoa, quando  um grupo de pessoas acredita que sofre da mesma doença”.

A doença neste caso é a TSU. Todos acham que estão afectados por esta doença. Todos sabem que lhes faz mal. Todos acham que é mortal, quer aqueles mais indefesos, quer os de melhor saúde.
E não há médico que explique que tal não é doença, é parte da cura?

Contagem decrescente

Março 21, 2011

Aproxima-se o dia D.

Amanhã o governo PS cairá na AR. E já cai tarde.

Deverá terminar aqui um ciclo dominado pelo socialismo económico e social, iniciado há 15 anos. Este ciclo conduziu ao empobrecimento económico e cívico de Portugal, pela via de implementação de políticas erradas, de caracter colectivista e centralizador, a par de uma clara sinalização de desresponsabilização individual e colectiva.

Em breve se iniciará (espero) um caminho que permitirá livrar Portugal do socialismo. As eleições antecipadas são uma oportunidade única para a direita propor a sua alternativa de desenvolvimento nacional. Este caminho deve ser iniciado logo que Sócrates se demita (ou seja demitido).

Apresentar propostas claras é um desafio. A direita não deve ter receio de avançar com um programa de governo de caracter economicamente liberal e socialmente baseado no mérito e promotor de competitividade, brio pessoal e profissional. Sobretudo exaltando o orgulho dos portugueses no trabalho bem feito.

Estado de alma

Dezembro 29, 2010

Sair da crise, ganhar o país

Outubro 9, 2010

Para ajudar Portugal a sair da crise económica e financeira em que se encontra o PSD deve apresentar na Assembleia uma proposta de orçamento alternativo, que reduza a despesa do Estado e que simultâneamenrte dê um sinal claro de estimulo e confiança numa recuperação no futuro próximo.

Para tal deve obter previamente o apoio do CDS e do Presidente da República e preparar desde já um programa de governo, para assumir a governação assim que o PM se demita.

O programa de governo poderá não ser passível de aplicação de imediato, se o governo de iniciativa parlamentar não tiver plenos poderes até às eleições. Mas ficará claro que será esse programa que o PSD apresentará nas eleições no próximo ano.

Este programa deve ter como principal enfoque a redução estrutural do Estado na vida do país, apresentar as novas funções do Estado, as quais se deverão resumir à defesa nacional, segurança interna, finanças públicas, segurança social, justiça, administração do território e supervisão das actividades económicas. Deve ficar claro que o Estado não actuará em áreas que os privados podem assegurar essas funções: exemplo disso é a educação e a saúde. Igualmente deve privatizar todas as empresas onde o Estado ainda detém algum campital, incluíndo golden shares.Estou convencido que um plano destes é execuível. Encontrará resistências certamente, o socialismo está encrustado no pensamento e no modo de vida dos portugueses. Mas também encontrará apoio naqueles que estão desencantados com o Estado interventor na nossa vida diária. E sobretudo o país sairá vencedor.

Outubro 1, 2010

Nas próximas eleições presidenciais acrescentemos a seguinte opção ao boletim de voto: “Rei”! E uma forma de manifestarmos a nossa vontade e estou certo que se todos os monárquicos assim fizerem o nosso número de “votos” será divulgado! Passem a palavra!nas próximas eleições presidenciais acrescentemos a seguinte opção ao boletim de voto: “Rei”! E uma forma de manifestarmos a nossa vontade e estou certo que se todos os monárquicos assim fizerem o nosso número de “votos” será divulgado! Passem a palavra!

Libertar o Futuro

Fevereiro 17, 2010

O sentimento geral dos portugueses é que o País é mal governado. Há um descrédito geral nos políticos e na política. A cada acto eleitoral sobe a abstenção.
Inúmeros diagnósticos foram já feitos, culpados apontados, decisões e orientações políticas erradas identificadas.

Chegou a altura de propor um novo rumo. Um rumo materializado num programa político de governo que seja idealizado por um número alargado de cidadãos preocupados com o futuro do nosso País. Um programa partilhado, fruto da contribuição colectiva, mas coerente e exequível.

Este blogue foi criado com esse objectivo. Juntar o contributo de todos os que não se revêem no actual estado de Portugal e que reflectem sobre este tema.

Não se privilegiam ideologias, mas também não existem preconceitos. No entanto respeita-se a Constituição da República Portuguesa, a economia de mercado e a livre iniciativa.